Às vezes eu sonho que estou voando. Começa comigo correndo muito, muito rápido. Minhas pernas estão em velocidade. O chão começa a ficar rochoso, íngreme. Eu corro mais rápido, e meus pés nem tocam o chão. Eu me sinto livre e segura, mas ai eu acordo, e percebo que estou completamente sozinha.
— (500) Dias com ela.
ifistayofficial:

Why Mia?

ifistayofficial:

Why Mia?

Eu aceito teus medos, tuas inseguranças e tuas fraquezas. Eu aceito tuas dúvidas, tuas indecisões e teus assuntos não acabados. Eu aceito teus problemas, tuas crises e toda a tua confusão. Eu aceito teus erros, teus defeitos, tuas quedas e teus tropeços. Eu aceito os teus “sins” e cada um dos teus “nãos”. Eu aceito (e quero) você. Me aceita (e me queira), também.
Plenitude.   (via odeiorotulos)
How am I supposed to decide this? How can I possibly stay without mom and dad? How can I leave without Teddy? Or Adam? This is too much. I don’t even understand how it all works.
— If I Stay.
Só porque uma garota bonita gosta das mesmas porcarias bizarras que você, isso não a torna sua alma gêmea.
— (500) Dias com Ela.
Ela colecionava palavras que nunca foram ditas.
Eu tô cansada de pensar com a cabeça dos outros, ou de aproveitar o pensamento das outras pessoas só porque eles estavam prontos mesmo. Quer saber? Eu fiz uma dieta semana passada. Eu comi muita couve, e alface, e tomate…Só que eu prefiro viver até os 60 comendo besteira, do que viver até os 80 comendo o que as outras pessoas dizem que é certo. Pelo menos tudo isso vai ter valido a pena no final. Eu posso fazer o que eu quiser.
— Eu não faço a menor ideia do eu tô fazendo com a minha vida.
Eu mal conseguia acreditar que Sam tinha me dado um presente, porque eu honestamente pensava que o “eu te amo” era isso. Mas ela me deu um presente, e pela primeira vez, uma coisa legal como essa me fez sorrir em vez de chorar.
 Charlie.
Ela ergueu a toalha, e lá estava eu, de pé em meu velho terno, olhando para uma máquina de escrever com uma fita nova. Na máquina havia uma folha de papel. Naquela folha de papel Sam escreveu: “Escreva sobre mim de vez em quando.” E eu datilografei só isso para ela, de pé, ali no seu quarto: “Vou escrever.” E me senti bem em saber que aquelas foram as duas primeiras palavras que eu escreveria na nova máquina de escrever antiga que a Sam me deu.
Charlie.
Eu adoro o sorriso dela, adoro o cabelo dela, adoro os joelhos dela, adoro a marca de nascença em forma de coração no pescoço dela, adoro o jeito que às vezes ela lambe os lábios antes de falar. Adoro o som da risada dela, adoro a aparência dela quando ela dorme, adoro ouvir essa música toda vez que penso nela. Adoro o jeito que ela faz eu me sentir, como se tudo fosse possível… Ou como sei lá, como se a vida valesse a pena.
— (500) Dias com Ela.
In that moment, I swear we were infinite.